quarta-feira, 2 de março de 2011

Amor e mentira...

Hoje, ao entrar em meu “facebook”, dei de cara com uma atualização de uma colega dizendo o seguinte: “O amor é sentimento que ocorre entre duas pessoas que ainda não se conhecem verdadeiramente”. A seguinte frase insinua que o amor é ilusório e que, a partir do momento em que as pessoas se mostram, verdadeiramente, o amor acaba.
Bom, o que dizer? Essa pessoa ainda não conheceu o amor verdadeiro? Quem sabe ela não viveu uma enorme mentira? É importante ressaltar que essa é uma opinião minha, completamente sujeita a comentários e argumentos contrários, ok?
Sabemos que o início de uma relação é sempre marcado por muita paixão, o que faz com que, muitas vezes, percamos o discernimento e a objetividade em relação à pessoa com a qual nos relacionamos. Essa primeira fase é a mais intensa da relação, o que implica em alguns riscos. Cabe a nós a escolha de correr ou não esses riscos e arcar com as conseqüências dessas escolhas, não é mesmo?
A psicóloga portuguesa Cláudia Morais alerta: “Algumas pessoas mentem desde o início da relação. Fazem-no pelas mais diversas razões e podem arrastar a pessoa amada para uma situação de vulnerabilidade e desapontamento que deixa marcas. Uns mentem porque sentem a necessidade de manter uma vida secreta/ paralela; outros mentem por serem paranóicas e não conseguirem confiar a verdade a ninguém; outros porque são sociopatas, incapazes de ser honestos; já outros ocultam segredos horríveis do seu passado. Enfim, há mil e uma razões.”
Independente da justificativa dada a mentira, sabemos que o tempo trará discernimento sobre quem é quem, se existe amor ou se é só ilusão.
No início do relacionamento, as “mentirinhas” são mascaradas pela paixão, sendo assim, completamente justificáveis. Porém, depois de algum tempo, a verdade e o alerta interno da pessoa começam a dar alguns sinais de que algo está errado na relação.
Ainda que a dor relacionada ao confronto com a mentira seja muito forte e possa, assim, condicionar a forma como a pessoa traída olha para as relações amorosas - ou seja, a partir de uma relação ela projetará a próxima - é preferível, obviamente, que este desencanto surja numa fase inicial. Descobrir que a pessoa usava uma máscara, em um momento muito maduro da relação, implica uma frustração maior.
Portanto, meus caros leitores, vamos permitir que o tempo passe e que a euforia do início da relação dê lugar à reflexão e ao discernimento? Só assim poderemos avaliar a pessoa amada, olhando a realidade de forma mais objetiva.
Ô Tarefa difícillllllllll!!!

18 comentários:

  1. Como podem criar uma frase tão mentirosa assim sobre o Amor?! Lu de Deus... Realmente, foi um disparador e tanto pra seu novo post neh?! Amor e mentira, duas coisas tão diferentes e que as pessoas insistem em aproximá-las... Ao falar de amor, penso em todas as suas manifestãções e estou mais que convencida de que ele, definitivamente, não é uma ilusão. Obrigada por me fazer pensar sobre isso!

    ResponderExcluir
  2. Lú, adorei a direção que está dando ao seu blog, não está apenas falando do seu trabalho, mas pontuando assuntos revelantes, que muitas vezes acabam nos levando à clinica. Portanto, é importante pensar, refletir. Adorei o post de hoje, bom, não sei o que a pessoa que escreveu a frase anterior queria dizer, realmente, mas sei o que vc compreendeu e o quanto expandiu a discussão, e isso pra mim foi super relevante. "Toda a forma de amar é sagrada", acho que realmente precisamos nos permitir, se doar. Adorei seu texto que me trouxe algumas inqueitações e provocações. Brigadim, e parabéns!Bjs

    ResponderExcluir
  3. Eita...

    Só a Lú p imprimir discussões assim!!!

    Adorei os comentários da Lu e da Nana, vou ficar só na apreciação do seu texto e dos comentários das meninas... vou tentar elaborar agora!!

    bjãooooo

    ResponderExcluir
  4. otimo post Lu...
    de uma coisa eu tenho certeza, ninguém nunca ama da mesma maneira, nunca é igual e as vezes pessoas mentem para tentar parecer equivalente, ou por motivos mesquinhos tbm. Porém, penso que independente do motivo e por menor que seja a mentira, ela destroi a beleza do amor e tudo aquilo que foi construído com muito carinho e dedicação.

    Concordo com vc Lu, qdo vc diz q melhor descobrir mascaras no inicio, pq dps de estabelecer tantos elos e ligações um problema desses tem um dimensão tao grande que afeta vários campos da vida da gente.

    enfim... há mto o que se pensar a respeito, e o que se evitar fazer rs

    beijoss!!

    ResponderExcluir
  5. Gente, nada melhor do que cinco comentários de amigas psicólogas!Isso é muito reforçador!!!rs
    Saudade de todas vcs...muita saudade!
    Espero continuar agradando vcs, lindonas!
    OBS: Nanoca, qual é o seu twitter?Quero ver a publicação..rs

    ResponderExcluir
  6. Como diz a música Montecastelo, da Legião Urbana, "o amor é fogo que arde sem se ver, é ferida que dói e não se sente", quando estamos apaixonados, ficamos cegos. No caso específico da mentira, deixamos "pra lá" algumas coisas, apenas relevamos. Mas quando voltamos à realidade, ou seja, a paixão esfria, é que nos damos conta de onde estamos.
    Eu, particularmente, acredito no amor verdadeiro, sem mentiras. E eu achei o meu, que é exatamente essa psicóloga que sempre disserta de forma brilhante sobre diversos assuntos relacionados à sua profissão!

    ResponderExcluir
  7. Não preciso nem dizer que também encontrei o meu amor verdadeiro, né?Obrigada pelo comentário, meu amor...amo vc!

    ResponderExcluir
  8. Amiga, até que enfim tô conseguindo comentar!
    Sou leiga nesse mundo dos blogs, mas tô amando o seu!!!!
    Te amo....adorei o texto! Beijos beijos minha linda (Mari)

    ResponderExcluir
  9. Linda, que bom que conseguiu comentar!E que ótimo que gostou do texto!
    TE amo muito, lindona!Muita saudade!

    ResponderExcluir
  10. Parabéns! blog muito interessante!

    ResponderExcluir
  11. Obrigada, João!Continue acompanhando e dê sugestões!=) Um abraço!

    ResponderExcluir
  12. Vi uma reportagem sobre o fato de que os primeiros meses de uma relação são "regados" de uma sensação anestésica de felicidade, onde a tolerância é muito maior do que em uma relação mais madura. Não tenho certeza se era um artigo científico, mas de qualquer forma, era bem coerente!
    Tema interessante, notei que você se interessa bastante pelo fator da "mentira", não?

    ResponderExcluir
  13. Panda, tive uma decepção enorme com uma ex amiga por conta de mentiras. Fico bem chateada com isso até hoje. Acho que foi essa situação que me levou a pensar tanto sobre o tema. Muito pertinente seu comentário. Obrigada por acompanhar o blog. Um abraço!

    ResponderExcluir
  14. Beneficial info and excellent design you got here! I want to thank you for sharing your ideas and putting the time into the stuff you publish! Great work!

    generic paxil

    ResponderExcluir
  15. Dubaloop,I thank you for your opinion. Keep watching my blog. Take care!

    ResponderExcluir
  16. Amiga, descobri seu blog hj no face. Que texto maravilhoso! Vc tem toda razão. A euforia passa, a realidade chega e depois só restam as lembranças (e por que não dizer, as marcas encrustadas em nossa mente e alma). Dizer adeus pode ser difícil, mas viver uma mentira seria muito mais cruel e como tudo na vida precisamos ser honestos conosco e nos permitir ser mais, alcançar mais e seguir adiante.

    ResponderExcluir
  17. Querida, saudade demais de você! Muito obrigada pela visita ao blog e pelo comentário enriquecedor! Grande beijo!!!

    ResponderExcluir

Prezados leitores do blog "Era uma vez...", por favor evitem comentar como "anônimo", pois gosto de responder às pessoas que apreciam o meu trabalho. Se puderem deixar o e-mail, fico agradecida. Um abraço e voltem sempre!